Paulinho Boracini marcou cesta mágica que deu a vitória ao Basquete Cearense sobre o Bauru no NBB 10. Foto: Stephen Eillert/Basquete Cearense
Paulinho Boracini marcou cesta mágica que deu a vitória ao Basquete Cearense sobre o Bauru no NBB 10. Foto: Stephen Eillert/Basquete Cearense

O dia corria normal em Fortaleza, em uma quarta-feira de jogo único no NBB. Até por volta das 16h. A “perda de carga” numa estação de abastecimento no Pará causou a queda da energia elétrica em mais 13 estados das regiões Norte e Nordeste. Ninguém poderia imaginar, no entanto, o que aconteceria quando a luz voltasse. Paulinho Boracini marcou a cesta da vitória por 81 a 80 do Basquete Cearense sobre Bauru. Mas não foi qualquer cesta. Foi, certamente, a mais espetacular dessa temporada, e candidata a uma das mais sensacionais da história.

Com apenas dois segundos para o fim, o Basquete Cearense perdia por 80 a 77, e Paulinho foi para linha de lance livre. Acertou o primeiro e, propositalmente, errou o segundo, jogando na tabela para depois pegar na zona morta e matar a bola mágica no estouro do cronômetro. Isso “apenas” com Alex, o melhor defensor da história do basquete brasileiro, na cola dele. Assista abaixo:

O Basquete360.com conversou com Paulinho Boracini sobre o dia atípico. O ala-armador do Basquete Cearense, que saiu do banco para marcar 16 pontos, conta que planejou o lance e se inspirou em Marcelinho Huertas. No Mundial de 2010, o Brasil perdia por 70 a 68 para os Estados Unidos e o armador fez exatamente isso: arremessou propositalmente na tabela e pegou a bola na zona morta. Porém, não conseguiu chutar e a seleção acabou derrotada.

“Eu já tinha visto o Huertas e outros tentarem lance parecido”, contou Boracini por telefone. “Tentei algo parecido no jogo contra o Vasco nesse NBB, mas errei a direção no aro e a bola não voltou. Agora contra Bauru foi tudo combinado, pedi para o pessoal do time deixar aquele espaço da quadra mais vazio, que eu iria tentar jogar a bola naquele canto. É uma parte da quadra que eu gosto de arremessar. Se ela não caísse fora da linha, eu teria que arremessar de dois. Mas acabou sendo um passe perfeito, não precisei nem quicar a bola. Coincidiu com muita sorte, o Alex estava em cima de mim e pensei: ‘Ih, ele vai me dar toco’, mas a bola triscou na tabela e caiu. Foi emocionante demais e a gente precisava disso”, concluiu.

Um jogo histórico e atípico, assim como os momentos pré-jogo. Por conta do apagão, a partida, marcada para começar às 19h30, só teve o tapinha inicial por volta de 20h30. Muitos torcedores não puderam ir ou acabaram voltando para suas casas.

“Por volta das 16h, o ar condicionado de casa desligou e meus filhos reclamaram que desligou o videogame”, relembra Paulinho Boracini. “Percebi que iria ficar complicado e saímos cedo. A 1km do ginásio, vi que não iria chegar no horário combinado, estava muito trânsito. Fui andando durante meia hora com meus filhos e a esposa dirigindo o carro. A luz voltou quando chegamos ao ginásio e caiu novamente no aquecimento. Ficamos uma hora no escuro. Quando estavam quase desistindo, o jogo não iria acontecer, acendeu tudo. Foi um dos jogos mais vazios do NBB, as pessoas tiveram que ir embora, mas acabou acontecendo o que aconteceu”.

Inscreva-se no nosso canal do YouTube e ajude o Basquete360 a crescer

Vitória do Basquete Cearense coloca fogo na briga por playoffs do NBB

Paulinho Boracini tentou bola semelhante na derrota do Basquete Cearense por 96 a 92 para o Vasco, no NBB. Foto: Paulo Fernandes/Vasco
Paulinho Boracini tentou bola semelhante na derrota do Basquete Cearense por 96 a 92 para o Vasco, no NBB. Foto: Paulo Fernandes/Vasco

Depois desta quinta, todos os times do NBB têm iguais 26 jogos disputados e mais dois por disputar. O Basquete Cearense pulou para 9º lugar, empatado em 12 vitórias e 14 derrotas com o Minas, décimo, e colado no Pinheiros (13v13d). Por perder no confronto direto, primeiro critério de desempate, o Carcará não consegue ultrapassar Vitória (6º, 14v12d) e Caxias do Sul (7º, 14v12d). Para terminar em oitavo lugar, precisa vencer o Flamengo, neste domingo, às 11h, e o Minas, na terça-feira. Ambos os confrontos serão fora de casa. Além disso, há necessidade de torcer para derrotas do Pinheiros, para Mogi e Liga Sorocabana. Os paulistas também têm vantagem no desempate.

Paulinho Boracini acredita que a vitória heroica sobre Bauru vai dar ainda mais força para o time nos playoffs de oitavas-de-final. O Basquete Cearense conseguiu feito importante, de derrotar Franca e Bauru em sequência, algo que só os líderes Paulistano e Flamengo fizeram. Em casa, no Ginásio Paulo Sarasate, o Carcará venceu 11 vezes e perdeu apenas três.

“Essa vitória foi muito importante e mostrou a força que o Basquete Cearense tem em casa”, destacou Paulinho. “Dependemos da gente para terminar em nono. Vamos chegar com muita força nessa primeira série dos playoffs e dar o máximo para fazer com que o time avance de fase pela primeira vez na história do NBB”, concluiu.

Aos 34 anos, Paulinho Boracini disputa sua nona temporada do NBB, a primeira pelo Basquete Cearense. Peça fundamental e homem de confiança do técnico Alberto Bial, jogou 25 vezes no NBB 10 e tem médias 25.6 minutos em média com 12.8 pontos, 2.8 assistências e 2.9 rebotes.

Crédito do vídeo: Basquete Cearense

Foto de apresentação do vídeo: Stephen Eillert/Basquete Cearense

DEIXE UM COMENTÁRIO

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui