Leo Meindl em ataque contra a Colombia, em partida válida pelas Eliminatórias para Copa do Mundo de 2019. Foto: Gaspar Nobrega/Fiba
Leo Meindl, um dos destaques da Seleção Brasileira até aqui, buscando espaço para anotar mais dois pontos próximo a cesta. Foto: Gaspar Nobrega/Fiba

A Seleção Brasileira derrotou a Colombia, por 84 a 49, na noite desta quinta-feira, em Goiânia. O resultado elástico manteve a equipe do técnico Aleksandar Petrovic isolada na liderança do grupo B das Eliminatórias para Copa do Mundo de 2019. Mas também expôs suas qualidades e dificuldades na quadra. Enquanto a defesa foi muitíssimo bem do segundo ao último quarto, com apenas 25 pontos sofridos em 30 minutos, o jogo de meia-quadra foi complicado nos 15 primeiros.

Ao contrário do que se esperava, a partida começou muito truncada. A Colômbia marcava forte, alternava defesas por zona e pressão quadra toda. Isso obrigava o Brasil a jogar taticamente, no chamado 5×5. Ou seja, era difícil pegar rebote, correr e pontuar no contra-ataque, característica histórica do basquete do país. O ataque adversário, puxado por Stalin Ortiz e Michaell Jackson, teve aproveitamento acima da média também. Sem arremessos errados de um lado, é mais complicado conseguir cestas rápidas.

– Melhores momentos: clique e assista aos principais lances de Brasil x Colombia

Leo Meindl explica decisão de Petrovic em começá-lo na reserva

Uma surpresa na escalação de Aleksandar Petrovic foi Leo Meindl sair do banco. O Brasil começou com Jhonatan na posição três, que seria de Alex Garcia caso o ala do Bauru não estivesse com problemas físicos que o impediram de atender à convocação. Após o jogo, Leo Meindl, que terminou com sete pontos, três assistências e três rebotes, conversou com o Basquete360.com. Ele explicou a mudança, ressaltou a forte defesa apresentada e que a equipe está pronta para jogar 5×5 quando necessário.

Ricardo Fischer vê evolução na adaptação a Petrovic

O armador Ricardo Fischer veio do banco em dois momentos na partida. No primeiro tempo, atuou como segundo armador ao lado de Arthur Pecos. No segundo, armou a equipe sozinho. Em momento delicado na carreira, com uma possível dispensa pelo Bilbao sendo noticiada na imprensa, Fischer não entrou bem no começo, mas depois se soltou e terminou com 7 pontos.

No próximo domingo, a Seleção Brasileira volta à quadra para enfrentar o Chile. Caso vença, conquista vaga na próxima fase de maneira antecipada. Ainda haverá uma janela de jogos, nos dias 29 de junho e 2 de julho, contra Venezuela e Colômbia, respectivamente. Os venezuelanos estão na segunda colocação da chave, com cinco pontos contra seis dos brasileiros.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui